13 de jan de 2013

Arranhaduras


Nenhuma borracha apaga
as arranhaduras que mapeam a minh’alma
Só o tênue fio rubro que lhe escorreu bêbado
e lhe fez o tal desenho é que desapareceu.
Ainda vejo(e nem preciso usar o zoom),
em cada ponto, uma marca
E quando meus olhos se aprofundam
e quase as tocam,
sinto nelas uma sensibilidade que é toda dor.
Confesso: Ainda tremo... e queimo,
e me desmancho de medo.
Então me abandono em profundos devaneios
Quisera não tê-las, ao menos não vê-las,
mas elas são os meus sinais(rubros sinais)
Marcas que não irão se desfazer nunca,
nunca mais...

regina ragazzi




2 comentários:

  1. Limerique

    Era uma vez certas arranhaduras
    Marcas talvez de certas aventuras
    As cicatrizes perenes
    Assim nem tanto solenes
    Causavam profunda dor essas agruras.

    ResponderExcluir
  2. Olá!Boa tarde!
    Regina
    Tudo bem?
    Muito bonito.
    Eu penso que nada é mais difícil do desapegar-se de algumas marcas do que se lamenta, nada é mais doloroso do que aceitar a realidade que você foi magoado e nada é mais difícil do que aceitar que você é capaz de fazer os seus próprios erros na vida. Mas só se conseguir aceitar e compreender que essas coisas acontecem, você conseguirá definir-se quem é, e quem quer ser, e assim permitir-se deixar para trás o passado onde ele pertence, e viver o presente.
    Belo domingo!
    Um prazer ter te visto por lá.
    Obrigado!
    Beijos
    ClicAki Blog(IN)FELIZ

    ResponderExcluir

Obrigada por ter vindo. Deixe seu comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...