14 de dez de 2012

Esses olhos tristes

Esses olhos tristes
Olhos de outono
Como viajam esses  olhos
de cores sombrias!
Olhos de noite,
de madrugadas insones
Olhos que miram o horizonte...

Ah... esses olhos marejados
Visão embaçada
Tão tristes e tão belos
O que verão nessa estação?

Olhos amenos
Olhos de poesia

Ah ...esses olhos
emoldurados por um rosto
tão bonito!
Por que será que neles nunca é verão??

regina ragazzi




13 de dez de 2012

Ócio


O que me consome
São as horas vadias
A mente vazia
O pensamento ocioso
Isso me consome!

Quero um fiozinho só de inspiração
Ou um bom livro na mão
Uma xícara de café
E a janela bem aberta
Pra que eu olhe de vez em quando lá pra fora
E veja o pássaro, a libélula, a borboleta
Até quem sabe. um anjo!
Desde que tenha asas....

Eu quero esmiuçar aqueles versos
Que li no livro do”poeta do hediondo”
Até queimar meus neurônios
Ou minha cabeça explodir
Eu quero sim!

Eu quero qualquer coisa, leve ou abrasadora
Que me tire dessa estagnante mornice
Enquanto correm os minutos lá fora
E meu tempo aqui dentro é perdido

Quantos poemas! Quantos livros!
Quantas notícias novas nos jornais...
E eu não produzi nem um dístico!

Eu quero o sangue rubro que corre em minhas veias
Aquecendo a ponta dos meus dedos
E fazendo nascer neles letras, versos, poemas...

Só não quero ficar aqui
Envelhecendo, preguiçosa, a minha mente
Adoecendo o meu olhar
Deixando morrer dentro de mim
O que há de mais belo e verdadeiro
Esse meu jeito diferente de ver o mundo
E fazer dele a minha poesia ...
regina ragazzi 

O que me sangra



O que me sangra
não são as feridas que me causaram
mas as que causei
O que me dói não são as minhas dores
mas as dores que provoquei
Me dói também o que não fiz
coisas que eu nem sei
Choro e nem sei porque chorei
Nasci num dia cinza, talvez
Uma alma faltando pedaços
Nunca me completei

Não sei quem sou, não me sinto
Minh'alma busca o silêncio,
a penumbra, a solidão
Meu céu não tem lua,
nem estrelas
Minhas manhãs
se vestem de nuvens negras
Meus dias são sempre
de Outono, de Inverno
Nunca de primavera ou verão

No peito enraizada a tristeza
 companheira inseparável
até nas horas que sinto
uma ponta de felicidade
(Ah,sonhar me faz feliz!)
Até me esqueço
que tenho uma alma avessa
e a sinto inteiramente azul
como eu sempre quis

 regina ragazzi




12 de dez de 2012

Imperfeita



Segui por caminhos avessos
Deixei meu coração se partir
Fui louca, fui inconsequente
Por isso, quase te perdi

Há coisas amor, que não se explicam
Simplesmente acontecem com a gente
Devaneios fazem parte da vida
Desejos, emoções, sentimentos...

Incontrolável amor, é o pensamento
O querer-se desfazer e não fazê-lo
É o misturar de uma lucidez incoerente
O abrigar-se nos braços de um sonho
temporariamente

Imperfeita amor, é minha alma sedenta
Que vagueia por mundos que ainda não conheço
Ela quer sempre mais, o profundo, o inatingível
Ela se veste e se despe de si mesma a cada segundo

Mesmo que eu não a permita
Mesmo que eu a censure, amor
Minh'alma vibra
Meu coração pulsa

Sou imperfeita ainda
Mas te amo, meu amor
Minha vida ...

regina ragazzi

11 de dez de 2012

Disfarce


Em minha aparente nudez vou enganando a vida
Estou vestida de medos e angústias
Barreiras, escudos que criei e que me protegem
Posso até ser tocada, mas nunca invadida
Sou bicho arisco, me encolho toda quando acuada

Há uma porta invisível em mim que nunca se abre,
só quando eu permito...
Ainda assim tenho feridas que não cicatrizam
Elas ficam em mim como um aviso, um alerta
E se por qualquer motivo eu me arrisco,
 elas me sangram,me doem...então eu desisto
E assim aparentemente me dispo

regina ragazzi

Uma visão negativa sobre o tempo


O ponteiro...o pêndulo...a ampulheta...
E tudo pode acabar em menos de um segundo
Algoz traiçoeiro
Obscuro mensageiro
Manipulador horrendo do mundo

Tu brincas e ris de teu poder absoluto
Enquanto teces e cortas os fios
que nos prendem à  vida
Por tua causa já  nascemos mortos
Gozando aqui uma falsa existência
por ti permitida

Ninguém  pode fugir à  tua sentença
És o juiz e vivemos do teu julgo
Tivesses tu menos poder e prepotência
Tudo seria diferente nesse mundo

regina ragazzi

9 de dez de 2012

Um canto triste



Canta o pássaro num choro entristecido
Na madrugada solitária ele chora
Agora sabe que estará sempre sozinho
Sem o canto alegre que cantava outrora

Seu canto agora é apenas um gemido
É um lamento de saudade e dor
Enfim o pássaro se sentiu vencido
Quando suas próprias asas  arrancou

regina ragazzi

Das águas...



Molhou...escorreu...vazou...
Não deu tempo de segurar o sonho
De guardar o azul cristalino
O morno ficou frio...frio...

Rolou.... escorreu...secou...
Não deu tempo  de desfazer o nó
Não adiantou a chuva fina...
Ainda no fundo ... o pó...

Molhou, escorreu, vazou, secou
... e passou....mas ficou...

regina ragazzi

8 de dez de 2012

Rubro olhar



Por que essa areia em meus olhos
arranhando a retina,embaçando a visão?
Esse rubor... o lacrimejar
Por que arde minh'alma, sem razão??

Nem a brisa suave refresca esse ardor
e tudo me queima por dentro
Borrada paisagem sem cor é o que estou vendo

A areia que veio com o vento, cegou-me
E eu que já andava enxergando tão pouco...

regina ragazzi

7 de dez de 2012

Filho


Filho
Pudesse eu fazer-te voltar ao meu ventre
Recomeçaria tudo de outro jeito
Não me privaria de tua infância
Não te privaria do meu peito

Te ensinaria a fazer barquinhos de papel
Te levaria ao parque pra brincar
Aqueceria com meu corpo o teu corpinho
Te cantaria uma cantiga de ninar

Filho
Perdoa a minha ausênsia
Não há amor maior do que o que sinto por ti
Se errei  foi por pura inexperiência
Pensei em  teu futuro garantir

Filho
Hoje te vejo crescido
Sinto que já quase não precisas  de mim
Então uma dor e uma tristeza enorme invadem meu peito
Porque sei que podia ter feito muito mais por ti

regina ragazzi

Acorrentada

regina




Nó  preso na garganta
Corpo inteiro acorrentado
Sangue fervendo nas veias
Pulso acelerado...

Correr prá onde? Prá que?
Inúteis mãos, desvalidas
Não servem prá nada
Nem prá cuidar das feridas
Ah, essa maldita!

regina ragazzi

Flor de primavera


Breve e ilusória alegria
Fazendo sorrir meus olhos de primavera
Flor já enraizada em meu jardim
Perfume que me chega trazido pela brisa

Breve e ilusória alegria
Fazendo chorar meu olhar de infinito
Flor perdida no horizonte
Pétalas que minhas mãos já não conseguem tocar

Breve...tão breve e ilusória alegria
Flor que me inspira
Flor que morre e nasce em meu peito
Todos os dias...

regina ragazzi

6 de dez de 2012

Meus poemas



É no peito que guardo meus melhores poemas
 Arquivo de todas as minhas emoções
Rabiscos que traço somente em pensamento
 Rascunhos que faço sem usar as mãos

Meus poemas por vezes são jardins abandonados
 Onde crescem ervas que não consigo arrancar
São dias de chuva, beiras de precipícios
 São pedaços meus que não posso juntar

Por outras vezes são janelas que ficam abertas
 Por onde entram a luz do sol, das estrelas, do luar
 São rios calmos longe das fortes correntezas
São paisagens coloridas que se refletem em meu olhar

É no meu peito que guardo meus melhores poemas
Arquivo de todas as minhas emoções
 Meu livro secreto, somente eu o leio
 E é nele que aprendo as  maiores lições

regina ragazzi

Vida



Noite sem lua
Sussurros de vento
Dança de vagalumes
Colorindo o negro tempo
Tudo em volta, silêncio

Também em mim
Dançam os pensamentos
Variadas cores, diversos tons
Emoções, sentimentos
Avançam madrugada à dentro

Mais um pouco e já amanhece
Como será o meu amanhecer?
Há de surgir o sol no horizonte
E uma luz de igual intensidade
Irá brilhar dentro de mim

Já é quase outra vez
Primavera em meus olhos
E tantas serão as flores
Que se debruçarão nas janelas
Do meu olhar!

Já as sinto brotarem em minh’alma
Um lindo e perfumado jardim
Vida que se renova em mim
Mais uma vez
Vida que me insiste em ser ...

regina ragazzi

Vício


Tantas foram as viagens
 Que ele queria fazer
 Os olhos sempre vermelhos
 Não lhe deixavam ver

 Que estava entorpecido
 E a cabeça não pensava
 Se despedia da vida
 Enquanto viajava

 Foram dias se entregando
 Ao vício que o alimentava
 Cada dia mais querendo
 O veneno que o matava

 Uma dose acertada
 Foi fatal ao coração
 Uma viagem sem volta
 Deu cabo de sua aflição


regina ragazzi

5 de dez de 2012

Silenciosamente


 Silenciosamente pôs-se a caminhar
 No que ainda chamava  de jardim
 Reconhecia algumas flores
 Plantadas em outra estação
 Sobreviventes à todos os sóis
 E todas as chuvas
 E todos os ventos
E todos os temporais ...

Ainda exalavam seus perfumes
E mesmo que, já desbotadas suas cores
Eram belas suas pétalas ...
Belas flores...


Silenciosamente pôs-se a caminhar
Por entre os espinhos no chão
Tantos espinhos cravados em seus pés
 Foram tantos os espinhos que rasgaram
 A sua pele...e a fizeram sangrar...

Mas ainda era o seu Jardim
E eram as suas flores
E eram os mesmos espinhos
E ela revia ali, à cada passo
 A mesma história

regina ragazzi

Poeticamente sós



Dias longos
Madrugadas frias
Olhares ausentes
Silêncios tediosos

Eu e minha poesia
companheiras inseparáveis
de todos os dias
Abrigadas num canto
que é solidão

Somos uma da outra
o agasalho que nos falta
o sorriso
a palavra que não vem

Presas dos versos
que construimos
Labirinto de sonhos
Cárcere de emoções

E nós, poeticamente sós
em meio às nossas construções

regina ragazzi

4 de dez de 2012

Meu pequeno vasto mundo


"Você tem o dom de, com poucos versos dizer tudo que lhe vai na alma.Essa alma não divide o seu mundo?"
# saavedra1946 (Autores.com) -03/03/11
Comentário deixado em meu texto "Olhares"

Olhares...

Olhar de vento ... esvoaçante...
Misturando as cores da íris
Arco luminoso abrindo caminhos
Alma vagando entre dois mundos
Portas se abrindo ...

regina ragazzi





  Meu pequeno vasto mundo

Vivo em tantos mundos!
Porta aberta acolhendo sonhos
vindos de outros mundos
e de tantas outras vidas
que se misturam à minha
Almas que se cruzam no infinito
Algumas apenas de passagem,
outras que se tornam parte permanente
de mim

Mas há um pequeno e vasto mundo
onde habito
Janelas e portas fechadas
Um mundo só meu
onde sonho os meus sonhos
que não divido
Onde deixo guardados os meus segredos
Onde existe apenas eu ...

regina ragazzi

3 de dez de 2012

Quando me olhares




Quando me olhares
Procure ver a essência do que sou

Náo se atenha apenas 
a superficialidade das aparências.
Eu sou a boca que mesmo calada
Fala.
Sou os olhos que mesmo fechados
Enxergam.
Sou a máscara que retirada sangra
E sangra, e sangra...
Sou a dor mais doída
A interrogaçäo no fim da frase
O cansaço ao fim do dia.
Eu sou o recomeço ao amanhecer.

regina ragazzi

Ah, alma!!!



Ah, alma!!
Onde queres me levar
nesses passos bêbados
Tentas me enganar
mas eu percebo
Ainda há vestígios
de lucidez em mim

Ah,alma!!
Este caminho eu já conheço
Por seguí-lo  paguei um alto preço
Vejas as marcas que eu tenho
desenhadas em mim

Ah, alma!!
Não sejas teimosa assim
Não insistas, não confio mais em ti
Me deixa seguir outro caminho
Meu destino é caminhar sozinho
E esquecer do coração que bate aqui!

regina ragazzi



Na noite fria



 Se encolhia todo num canto
 O corpo cansado tremia
 No rosto a palidez
 No peito nenhuma alegria

 Dormia sempre ao relento
 E naquela noite tão fria
 Veio chuva e rajadas de vento
 Destruindo o pouco que tinha

 Era tanto o sofrimento
 Que a Deus ele pedia
 Um pouco mais de piedade
 E a morte que alivia

 regina ragazzi

Nas horas tortas do dia



Nas horas tortas do dia
Vivendo as incoerências da alma
Os questionamentos absurdos
Os gritos mudos
A falta de chão

Vem uma aflição incontida
Uma loucura sofrida
Por ver-se ainda em cárcere
Presa às emoções

E uma suplica, uma oração
Oh! Até quando??
Valhei-me Deus!
Liberdade!

Que esse dia logo se acabe
E traga de volta a lucidez
E que dessa alma se apague
toda angústia e insensatez...

regina ragazzi



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...